O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 2



Eu criei coragem pra abrir os meus segredos aqui. Me chamo Abel, tenho vinte e um anos e estou na cadeia. Vou tentar te contar tudo conforme foi acontecendo.

Pra começar a te falar de mim, eu vou te falar primeiro de Maurício. Eu sou só o filho da doméstica que limpava a casa dele. É isso desde que eu nasci. Parece que minha mãe se tinha dado pro jardineiro que fugiu de volta pro norte quando soube da gravidez. Foi o que me contaram.

Isso pouco me entristece ou importa, muito sinceramente. Acho até que chego a algum sentimento que me parece culpa por não sentir nada. Acaba que serve. Traz uma certa paz, isso de conseguir sentir pelo menos culpa.

O sentimento mais forte que me lembro de sentir era vontade de ser parte daquela família. Crescer de fora do lado de dentro de uma família que não é a sua pode ser muito confuso.

Maurício tinha pouco mais de um ano quando eu nasci e, naturalmente, herdei os restos dele, sempre herdei o que ele não usava mais, o que não lhe cabia mais, o que ele não quisesse mais. Ganhei o berço, as roupinhas de pagão, os cueiros... Até as fraldas de pano dele vieram pra mim. E chego a acreditar que chupei também suas primeiras chupetas e mamei em suas mamadeiras velhas.

"Era tudo muito difícil nos tempos do cruzado." Cresci ouvindo minha mãe arrastando este fantasma como se me pedisse desculpas por eu não ter tido coisas compradas exclusivamente pra mim.

Assim, eu andava pela casa como um mini-Maurício, uma versão pobre, de segunda-mão dele. Aos meus bonecos faltavam braços ou pernas e meus carrinhos andavam sem rodas aqui e ali. Era muito mais fácil me dar tudo do que ter o longo trabalho de jogar no lixo. Também acho que seria feio pros donos da casa jogarem os pertences velhos do seu filho no lixo uma vez que havia ali o filho da empregada pouca coisa mais novo. Não pareceria correto da parte deles.

E era exatamente assim que eu era tratado dentro de casa. Corretamente. No meu devido lugar. Me davam uma atenção e até algum cuidado porque, assim, parecia adequado. Não me lembro de já ter ganho um beijo da Sônia ou coisa parecida. E embora, hoje, ela viva repetindo que me ama mais que a Maurício - quando a levo bêbada escada acima - ela sempre me tratava com não mais que certa amabilidade decorosa. Apenas. No Natal, eram tomados por um senso de cristianismo e me enchiam de presentes, novos, comprados pra mim.

Lembro de passar noites delirando com como seria a vida se eu fosse filho dos patrões, irmão de Maurício. Dele eu queria estar perto o tempo todo, quase como uma sombra. Adorava ouvir o som da sua voz, ser acordado por ela; brincar com ele e todos os seus brinquedos ou apenas ficar deitado do seu lado assistindo TV.

Muitas vezes ele me ajudava com o dever, o que era bom pra ele rever o que tinha visto no ano anterior. Estudávamos na mesma escola. Os pais deles pagavam por mim. Existe até uma poupança em meu nome, sob cláusula de servir apenas para fins acadêmicos. Eram gente muito, muito rica. De uma família de gerações e gerações de gente muito, muito rica. De ambos os lados. Podiam se dar ao luxo de deixar bem o menino que crescia nos fundos da mansão histórica herdada por Sônia.

Não posso dizer que "conheci" Maurício. Não posso começar a contar sobre um evento específico em que tenha sido apresentado a ele, mas a memória mais antiga que tenho dele tem a ver com uma dor horrível causada pela mordida de um Maurício de seis anos quando, segundo me conta minha mãe, me viu brincando com o "Lava-Rápido de 3 Andares Hot Wheels" dele.

Eu ia escrever que criança não tem vergonha na cara pra explicar que voltei a brincar com ele logo que o meu braço parou de doer, mas não posso usar as crianças pra justificar a minha falta de amor próprio. Porque aquela não foi a única vez em que eu voltei a "brincar" com ele depois de ele ter me machucado - física, psicológica e emocionalmente falando. Não. Isso se repetiu muitas outras vezes.

O nome lhe tinha caído como uma luva. Porque se tinha uma coisa que aquele garoto era, era mau. Uma vez me deu um vidro de amônia e mandou que eu cheirasse:

"Cheira só. É um cheiro muito bom." Eu tonto, enfiei o nariz com força no vidro e se você, alguma vez, já inalou amônia, entende do teor de maldade no coração de Maurício.

Houve outra em que ele tinha o skate novinho em frente a ele e me chamou pra me contar um segredo, quando cheguei suficientemente perto, ele deu um pisão na ponta da prancha que levantou voo direto pra minha boca. Levei três pontos no lábio. Ele ficou de castigo por três semanas, uma pra cada ponto que levei. Mas parece que saiu em condicional no segundo dia, afinal eu era só o filho da empregada.

Você deve estar pensando: "Como alguém pode ser tão idiota e pagar tanto pau um sujeito desses?"

Acontece que tinha um outro lado dele. Um lado que só parecia vir à tona quando eu começava a chorar de algum mal que ele me tinha feito. Ele ficava todo afoito, meio desesperado, fazendo de tudo pra me aliviar da dor. E não era pra me fazer calar na esperança de que não percebessem o que ele tinha feito, porque a primeira coisa que ele fazia quando alguém chegava era se acusar. Ele não tinha medo das retaliações de sua maldade. Parecia que tinha medo mesmo era do que ia acontecer comigo.

E, então, ele virara como um amigo pra mim. Só me tratava bem, me deixava brincar com o que eu quisesse e até me mandava socá-lo pra descontar o que tinha feito - nunca pude lhe causar dor em igual medida, sempre fui essa florzinha fresca nojenta!

A primeira vez em que ele entrou escondido no meu quarto de madrugada foi quando eu tinha acabado de chegar do hospital. Desta vez com um galo de uma pedrada que ele me brindou a testa. Eu tinha sete anos e me lembro de tremer de medo de que ele tivesse ido ali pra apertar o meu galo ou outra maldade qualquer, mas ele veio com uma sacola com gelo e me disse pra calar a boca que aquilo ia aliviar.

Posso dizer que, verdadeiramente, aliviou. Mas não o gelo, e sim o cafuné que ele ficou me fazendo. Ele deitou na cama comigo e mandou que eu deitasse minha cabeça no seu braço, me abraçou e dormimos. Quando acordei ele já não estava do meu lado, mas durante o dia inteiro e também pelas duas semanas que seguiram, Maurício era só cuidados comigo. Nos primeiros dias, deitava minha cabeça no seu colo pra aplicar a compressa de gelo enquanto víamos desenho na TV.
Lembro que já aí, eu conseguira gostar de ter levado a pedrada. Eu já entendia que aquelas coisas funcionavam como um Vale-Maurício-Bonzinho pra mim.

Mas até isso acabou. A vida naquele palacete foi virada do avesso quando Armando e Sônia se separaram e Maurício foi embora com o pai pra França quando eu tinha doze anos.

E foi tudo um inferno. E eu não sei se ardia mais quando Maurício vinha passar as férias com a gente ou durante o ano letivo quando ele sumia pra casa do pai e só ligava de vez em quando pra falar com a Sônia. Eu acho que ardia igual, o inferno queimava igual o ano inteiro, só que, paradoxalmente, alguma coisa na baforada quente que era a presença dele, me aliviava a queimação. Pelo menos eu sabia dele, onde estava, o que fazia. Podia vê-lo e, quem sabe, se ele assim quisesse, podia satisfazê-lo no meio da noite. Mas ele só veio nas férias nos primeiros dois anos e parou de vir. Sônia é que ia visitá-lo e nunca me levaria junto.

Muitas vezes eu quis morrer. Talvez o inferno de verdade fosse um pouco mais fresco do que o meu. Ou talvez, de tanto sofrimento, eu fosse direto pro céu penitenciado e absolvido de todos os meus pecados. A maioria deles, cometidos de acordo com a vontade de Maurício. Foi sempre assim, tudo de acordo com a vontade de Maurício.

Mas Armando morreu assim sem mais nem menos uns cinco anos depois que foram embora, fico pensando se a força do meu pensamento teve alguma coisa a ver com isso. Não duvido. Não desejei que ele morresse, mas que Maurício voltasse pra casa e foi o que aconteceu.

Acho que eu estava contando da primeira massagem que fiz nos pés de Maurício. Depois disso, fiquei mais um tempo sem vê-lo. Mesmo morando na mesma casa, isso não era difícil de acontecer e eu não ia repetir o ridículo de aparecer no seu quarto. Não tinha estrutura pra tamanha humilhação. Pode até ser que ele desejasse que eu fizesse assim, mas eu não tinha coragem pra apostar nisso.

Eu estava deitado no meu quarto pensando em Maurício. Ele já tinha chegado. Já tinha subido as escadas e era tudo silêncio. Eu não tinha forças pra desviar meu pensamento. Só fazia pensar nele e desejar estar perto dele de novo, quando tomei um susto com o barulho da porta do meu quarto sendo aberta.

Maurício estava em pé, os olhos vazios me encarando. Ele cheirava a álcool e cigarro.

“Tô com fome.” Disse de olhar bêbado e sumiu da minha visão.

Continua...


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario

Comentou em 23/08/2017

Manda o link pq eu estou louco para ler e não consigo. Já tem uma semana que eu espero por esse conto!

foto perfil usuario sempresigilo

sempresigilo Comentou em 09/08/2017

Muito bom seu conto aguardo pelo resto pois estou ansioso

foto perfil usuario contosigiloso

contosigiloso Comentou em 08/08/2017

Obrigado pelos comentários. Realmente é muito legal esse retorno. Estou continuando o conto num blog que criei pra isso apenas. Lá já tem os capítulos 3 e 4. contosigilosoPONTOblogspotPONTOcomPONTObr. É um blog novo, ainda não aparece na busca do google, mas é só digitar o endereço no navegador. Vlw.

foto perfil usuario thiaguinho1998

thiaguinho1998 Comentou em 08/08/2017

Cara muito bom continua pf

foto perfil usuario vitorpreviati

vitorpreviati Comentou em 04/08/2017

Estou adotando esse conto! Espero que não pare de escrever

foto perfil usuario vitorpreviati

vitorpreviati Comentou em 04/08/2017

Estou adotando esse conto! Espero que não pare de escrever

foto perfil usuario theweekend

theweekend Comentou em 02/08/2017

Você escreve muito bem!!!




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


104055 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 1 - Categoria: Gays - Votos: 8
111624 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 3 - Categoria: Gays - Votos: 4
111628 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 4 - Categoria: Gays - Votos: 5
111631 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 5 - Categoria: Gays - Votos: 3
111632 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 6 - Categoria: Gays - Votos: 3
111688 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 7 - Categoria: Gays - Votos: 1
111695 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 8 - Categoria: Gays - Votos: 4
111740 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 9 - Categoria: Gays - Votos: 1
111786 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 10 - Categoria: Gays - Votos: 1
111945 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 11 - Categoria: Gays - Votos: 1
111946 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 12 - Categoria: Gays - Votos: 2
112014 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 13 - Categoria: Gays - Votos: 3
112097 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 14 - Categoria: Gays - Votos: 1
112098 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 15 - Categoria: Gays - Votos: 4
112312 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 16 - Categoria: Gays - Votos: 1
112632 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 17 - Categoria: Gays - Votos: 2
119916 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 18 - Categoria: Gays - Votos: 3
124348 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 19 - Categoria: Gays - Votos: 0
124393 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 20 - Categoria: Gays - Votos: 1
124450 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 21 - Categoria: Gays - Votos: 0
137833 - O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 22 - Categoria: Gays - Votos: 1

Ficha do conto

Foto Perfil contosigiloso
contosigiloso

Nome do conto:
O Filho da Patroa da Minha Mãe - O Vencedor - Capítulo 2

Codigo do conto:
104129

Categoria:
Gays

Data da Publicação:
01/08/2017

Quant.de Votos:
10

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


conto erotico com afilhado do diaboconto chantagem prima e tiacontos heroticos de casada chantageadas a fodervedeo porno inpurrou de uma vez no cu e ela choroucontos minha bolacontos gay inocentes abusostia gostosa senta no sobrinho quadrinhosComo minha enteada de de novinha em conto eroticosporno marido vendo sua mulhe fudeno com amatecontos eroticos minha namorada primo churrascomulher engasga com dogconto erotQuadrinhos causo de traição de esposasQuadrinho de sobrinhade pornocontos eroticos o cusinho da minha irma dinhaorgia com casais na piscina contotraficante pirocudo contos e fotoscontos eroticos de irma mais velha com irmão de menorporno contos marido contratou negao pra limpar quintal de sua casaporno brasileiro meu marido so que come meu cuzinho porque ele e apedadihoquadrinho erotico prostitute parte 5xivideos maça imperatorque pescaria boa,contos eroticos insestoscontos porno gay daniel e cirilo do carrosseldoce nanda conto eroticodesde novinha minha tia me ensinou a chupar a buceta dela e ela a minhacontoeroticodfdando o cu com vaselina contoconto erótico gay incertocastidade esposa conto eroticoNo banheiro com o professor contos eroticos gaycontos bêbado guadrinhoPorno conto eu e minha tia no sexo virtualcontos de encoxada com dedadasmeu sogro me comeu contos eroticosminha mulher contou que comeu o colega contopaguei um boquete pro meu tio gay e dei tambem contosnegras bucetas mozconto mostrei o pau pra elacontos eróticos dei a cu pro vizinhoprima dando o cu pro primocontos eróticos papai meu amorcontos incestos eu e minha irmã no acampamentoconto erotico pega no flagrafui corno da namorada contos 2017contos minha mulher experimentando um negroconto incestopais bola plano e fode suas filhasrevista em qadrinho de mae gostosa dando abuseta pro filho comecontos eróticos gay amigo negao do meu irmao me inicioucontos eróticos o velho italiano no hotelnua na rua contohomem xhomem bhconto erotico marido viado e submissoconto erotico com mulher do amigo bebadoContinuço do conto erotico fui fuder o cu virgem d minh filh no motelconto gay o cadeirante roludoporno cssada trai com catador de papelaoconto erotico formaturaAjudei uma cega na rua conto eróticoConto De Lesbica Na Praia Com Desconhecidarasgando uma bucetinha em camera lentaComi o cu da minha prima porque ela nao aguentou meu pau fundendo sua buceta conto erotico 2contos eroticos ensinar prima e tia tilotarwww.contos erotico em quadradradinhocontos eróticos de mulheres de Alenquernovinhas so gost de negraopornoperdi as preguinhas do cu quando era pequenacontos eroticos de incesto pai encoxado a filha de shortinho curto atolado no rabocontos eroticos fui castigada e fiquei excitadacontos eroticos cu da negraminha priminha titio contos eróticosx videos morena se esebidoconto porno com obmulher que dá a b***** para gordinha pede soca gordinho só que é gordinhoa namorada do meu filho conto eroticopênis cabeçudo arrebentando a buceta da magrinha pretinha machucandoconto comendo rabuda5 داستان سکس لیمونادcontos de ensesto de novinhas evangelicasContos eroticos com fotos de podolatria com patroasquadrinho porno gayconto porno menageConto erotico de pedreirocontos peituda e amiga marido e amigo seios doloridoscontos zoofilia namorada e a prima dela dando o cu pro cãocontos arrombando a filhacomercuegostosocontos+eroticos+portugalnegros dotados tarados por cu me foderao contos gayPicas cearenses com 25cmmeu patrão agiota dono da empresa que eu trabalho ele tirou meu cabaço da minha buceta em cima da sua mesa conto eróticovidios porno brasileiro madrasta surrando a enteadamulata contos eroticossedutoras e marrentas parte 4 contos eroticosContos de sexo lutinha com a maeconto erotico sentindo tamanho do pau