Nosso netinho é garoto de programa - parte 1




Chamo-me Olga e tenho 68 anos e desde que fiquei viúva, há seis meses, fui morar com a mãe do meu genro, Marta.

Eu e ela sempre nos demos bem, desde a época em que nossos filhos namoravam, e depois do casamento deles a nossa amizade se fortaleceu, do tipo sairmos juntas, trocar segredos, até o ponto desses segredos envolverem desejos sexuais reprimidos.

Nossos filhos decidiram ser pais apenas uma única vez. Depois de algumas tentativas sem sucesso, Matheus, uma criança linda, esperta, e que desde pequeno já carregava os traços de beleza que iriam acompanhá-lo quando crescesse, conseguiu ser concebido.

Com cinco, seis anos, o Matheus começou a aparentar uma anatomia um tanto “diferente” dos outros meninos da idade dele... Bom, quem é avó sabe que é praticamente comum dar banho no neto, vê-lo nu em algumas ocasiões mesmo depois de grandinho...

Calma.
Matheus não era nenhum anormal, apenas o seu pênis chamava a atenção quando comparado ao dos outros meninos de sua mesma faixa etária.

Por fim, os anos se passaram e ele se tornou um belo de um rapagão, e hoje, aos 20 anos de idade, Matheus é um ragazzo lindinho (rsrs), e não temo em reconhecer isso, e mais, não é porque é nosso neto não; com sua personalidade introvertida e seu jeito tímido de ser, um charme muito peculiar que se acentua aos o seus traços meio delicados: Matheus tem os cabelos meio cacheados e é branquinho, e só deixou de ser magro porque entrou na academia tem um tempinho, aonde vem ganhando corpo, nada, graças a Deus, que o tenha deixado deformado.

Não posso negar que eu e a Marta, como boas avós, sempre mimamos Matheus.

Muita coisa.

Avó é pra isso, não é não?

E talvez por ter sido tratado dessa maneira ele tenha se tornado bastante carinhoso conosco.

Quando o avô paterno morreu, Matheus não saiu do lado da Marta, e há seis meses, quando o meu marido se foi, se fez presente todo o tempo, chegando mesmo a faltar alguns dias na faculdade, mesmo sob protestos da minha parte.

Como relatei no início desse conto, fui morar com a Marta após a viuvez. A amizade que já tínhamos facilitou essa transição e praticamente começamos a viver como duas irmãs e, naturalmente, Matheus passou a frequentar a nossa casa, bastante, alegando que por morarmos na zona sul era bom para ele sair nas suas noitadas e voltar com tranquilidade, sem pressa, sem receios de perder a condução.

Claro que concordamos. E também os pais deles.

De uns três meses para cá algo mudou. Matheus vem chegando bem tarde nos finais de semana. Óbvio que sugerimos para que repensasse essa rotina, afinal, a juventude não dura para sempre… O menino pediu para relaxarmos, que estava tudo sob controle e saia para o banho, sem mais.

Bem… Numa dessas noitadas ele chegou aqui meio alterado, parecia ter tomado algo forte, mas não estava com odor de bebida, o que nos deixou, a mim e a Marta, ainda mais preocupadas. Matheus negou todas as nossas conjecturas e seguiu para o seu banho, e para nossa surpresa, saiu de lá tão somente enrolado em uma toalha.

Ok. Deveria ser algo relativamente normal, mas ele nunca, nunca fizera isso antes, e como eu disse, meu neto é a prova viva da timidez, tanto que várias vezes eu e a Marta questionamos como ele conseguia participar dessas noites sem fim fora de casa.

Bom… voltando à reação inusitada de Matheus, o vimos andar pela casa com a toalha em volta da sua cintura, parecendo pouco se importar com a nossa presença até o instante em que foi para o seu quarto, mantendo o mesmo ritmo, sem pressa, acabando por deixar a porta entreaberta atrás de si...

Eu e a Marta nos entreolhamos, e rimos, um tanto sem graça, mas sabíamos, mesmo em silencio, que nem uma e nem a outra tinha deixado de notar o corpo do nosso neto. Da mesma forma que compartilhamos essa cumplicidade quase pervertida, também compartilhamos a critica, reprovando-nos diante daquela transgressão emudecida.

***

Amanheceu e a Marta foi chamar o Matheus para tomar o café e não demorou muito para a coitada entrar na cozinha, tão branca como um boneco de cera, quase perdendo o ar.

Preocupada, perguntei o que tinha acontecido e então ela me pegou pela mão e me levou até à frente do quarto do nosso neto, ao mesmo tempo em que me pedia silencio com o indicador sobre seus lábios.

Deparei-me com a seguinte cena ao olhar pelo vão da porta: Matheus havia dormido só de cueca e estava, como posso dizer, “alterado”… Aliás, depois do que vi pude entender a razão de Marta ter invadido a cozinha tão desesperada.

Retornamos e acabamos por tomar nosso café da manhã, sozinhas, as duas, em completo silencio, apenas trocando olhares tensos, imaginando o que a outra estaria pensando.

Por fim Matheus apareceu no batente da porta da cozinha, devidamente vestido, nem parecendo mais o “louco” da noite anterior e se despediu da gente, sem querer comer nada, apesar da nossa insistência.

Os dias se passaram. Matheus acabou ficando um pouco ausente por causa das provas da faculdade e eu e a Marta acabamos por confessar o desejo que ele despertou em ambas.

Claro, o desejo de ter um corpo jovem, perfeito, sem nada fora do lugar... Não o dele, certamente.

Assim, transbordando de pensamentos e vontades, acabamos decidindo contratar um garoto de programa, mesmo morrendo de medo. O argumento final, para derrubar todos os nossos temores e hesitações foi o fato da aproximação do aniversário de Marta, dali a três dias.

- Eu mereço ganhar de presente um piru duro, ainda mais depois de tanto tempo sem ver um, não é mesmo?

Adorei a desenvoltura da minha amiga e caímos na gargalhada imaginando o quão confuso e tenso, porém inebriante, seria essa possibilidade: duas coroas sem experiências e atrapalhadas nesse assunto um tanto peculiar.

Fomos para a internet e acabamos numa sala de bate papo e teclando com um rapaz com o seguinte apelido: NETINHO GP DOT…

A conversa foi fluindo, confessamos ser nossa primeira vez naquele ambiente e ele então disse que ia mostrar o corpo para ver se iríamos gostar.

Ficamos muito, muito e muito nervosas, tensas, a ponto de nossos corações parecerem que iam saltar de nossas bocas.

De pronto informamos que não tínhamos câmera e o rapaz, então, nos explicou que não haveria problemas, e que uma “cam” funcionava independente de outra.

O tal jovem ligou sua câmera, mas antes avisou que não mostraria o rosto.

BUM!

Eu e Marta mal tivemos tempo pra respirar. Lá estava ele, pelado, excessivamente branco, e com um brinquedo muito bem armado.

Sem chão, fascinadas, riamos e respirávamos fundo, pesado, enquanto o menino se exibia segurando o pênis, simulando uma masturbação… Impossível não ficarmos extremamente excitadas e no final daquele rápido show concordamos com o serviço oferecido.


Três dias depois eu a Marta estávamos em um quarto de motel, em cima da cama, tremendo, seminuas, de cinta liga, bebendo alguns drinques para não perder a coragem do que estaria por vir ao passo em que especulávamos um plano de como agiríamos com o tal garoto de programa, como se tivéssemos ensaiando passos para uma dança.

Por fim o telefone tocou, nos dando um susto, e era a portaria confirmando se o tal jovem que lá estava poderia subir… Claro que autorizamos e depois que
desligamos o aparelho, respiramos fundo e tomamos mais um gole e rimos, muito, risadas transbordando medo, desespero, nervoso...


A campainha do quarto tocou. Marta decidiu ir atender, dizendo que queria receber o presentinho dela pessoalmente; eu, da cama, conseguia ver a porta sem problemas enquanto me divertia com a forma como minha amiga ia andando, tentando parecer normal, descolada...

Marta não demorou a abrir a porta e qual não foi a nossa surpresa ao nos deparar com Matheus ali, em pé, na nossa frente: ELE ERA O GAROTO DE PROGRAMA QUE HAVÍAMOS CONTRATADO.

***** contunua

Foto 1 do Conto erotico: Nosso netinho é garoto de programa - parte 1


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario hotcock

hotcock Comentou em 28/08/2017

muito das avôs




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


105358 - Nosso netinho é garoto de programa - parte 2 - Categoria: Incesto - Votos: 12
105655 - Nosso netinho é garoto de programa - parte 3 - Categoria: Incesto - Votos: 6

Ficha do conto

Foto Perfil Conto Erotico ncouto

Nome do conto:
Nosso netinho é garoto de programa - parte 1

Codigo do conto:
105378

Categoria:
Incesto

Data da Publicação:
27/08/2017

Quant.de Votos:
9

Quant.de Fotos:
1


Online porn video at mobile phone


quadrinhoos porno o fim da picadadei o troco no meu marido na cachoeira contosSexo com Beto Papakuconto incestopais bola plano e fode suas filhasnovinha tarada pelo sexo desenhosobrinho acaricia pau do tioquadrinhos eróticosconto passando a mao na buceta da mamaecontos eróticos no YouTube deixei meu filho me comermorena contos eroticosquadrinho pornoquadrinhos+eróticos+ay+papisexo contos eroticos minha esposa me traiucontos eroticos de casadas com instaladoresboatw mulher chupa a buceta da outra e senti tesaodeixando a esposa com tesao contoscontos eroticos juvenisContos de viadinho novinho c vestidinho e shortinhocontos eroticos com pivetes safadoscontos eróticos fui o prato dos amigos do marido no natalconto erotico apostei minha namoradaboatw mulher chupa a buceta da outra e senti tesaoanimes:família transandohentay gibis gayvideos de mulher e travesti e viado se arrombando com pau de boracha super grosoporno Mãe cunhadoconto erótico gay de irmãos gémeos e um homemcontos empregadinha dos héteroscontos eroticos seirenSABELYA INDEPENDENTE pornhq eroticoloucosconto sobre sexo com irmãocontos primeira surubaEu fundendo o cu da minha sogra viuva ela disse fode meu genro meu cu ai ai eu vou gozar pelo meu cu conto eroticocontos eroticos de coroas mulheres que transaram com inquilinosa amiga do meu filho conto eroticocontos erotico dois carocinhos de peitinhoscontos lesbicos no banheiro da boate glscotos eroticos www.contos eroticos comendo a mulher do amigo dormindoIrma e irmao numa viagem de feriado de carnaval no hotel conto eroticocomi o cu da minha vo contosnegacazadaconto erotico transex vestindo calca legcontos eroticos entre irmao e irma especias com fotos do incestotia pelada gostosacasada virei puta do meu patrao contos eróticosmulher chara au da cu amigo do marido conto eróticosconto tio gosra ser cornoCOMENDO O CU DO NOVINHO GOSTOSOrola na madrinha/contocontos eroticos marido convence esposa recatada a dar para outrocontosmorenacasadasPorno contos incesto pais e maes iniciando filhinhas no banho e na camaCdzinha no trabalho conto eróticocontos eroticos engravidando a loiraPorno conto neta quadrinhoporno Emmylle gostozinharomanos milftoonquadrinhospornoirmaosmulheres q traí deus matidos r. quadrinhos eriticos pornoesperei meu colega dornir e mammei seu pintocontos eroticos de neta, avo, sogro ,sogra e tia noracontos gay borracheiroconto erotico minha mulher pelada pra outrocontos eroticos gay dei para motorista do ubercontos eroticos minhas amiguinhas peladasconto erotico deixei me engravidarConto gozei encoxadaConto erotico seminaristasiririca com objeto contos eróticoscontos eroticos socwi mi rola na bucetona da mia tiaMinha professora fez eu me vestir de menina e depois me comeu com um vibrador