Toquei siririca na frente da Bruna



Antes de qualquer coisa, tenho dois avisos para você.
Primeiro, não me julgue.
O que está escrito adiante não é consequência de falta de caráter e ou de desvio de personalidade.
É, pura e simplesmente, uma verdade inconfessável.
E eu estou confessando.
O que nos leva direto ao segundo aviso. O que está escrito a seguir é o que todas as mulheres fazem.
E quando digo todas, são todas mesmo. Adolescentes, adultas, solteiras, namoradas, mães e irmãs. Entretanto, se você perguntar, elas irão negar veementemente. Pois, o que escrevi aqui ficou irremediavelmente conectado com o universo masculino.
E apenas com o universo masculino.
Se uma mulher entra nesse assunto, exatamente como eu irei fazer aqui, caímos lá no primeiro aviso.
Então, deixe o seu julgamento de lado e entre.
Estou abrindo a porta para você.
Agora, basta me seguir.
É escolha sua.
Vou me apresentar devagar, para lhe deixar a vontade.
Pode me chamar de Lara.
Esse não é meu nome verdadeiro. Ao menos, não completamente. É mais um nome do meio, daquele que só é pronunciado pela boca de sua mãe quando você faz coisa errada.
Mas, por motivos de discrição é o nome que usarei aqui.
Eu estou na casa dos vinte anos. Tenho cabelos pretos, longos e a pele bem branca. Sou magra e não muito alta. Seios médios, mas firmes, bumbum empinado, mas não escandaloso. Não tenho marcas no corpo, sejam cicatrizes ou tatuagens, nem piercings. Por ter nascido em um país apinhado de gente, chamado China, tenho os olhos redondos, puxados e pequeninos. E uso óculos.
Por imposição dos pais e da vida, vim morar no Brasil. Aqui, me dedico a terminar meu bacharelado. O que será uma tarefa quase impossível, se olhar meu currículo bagunçado por causa do processo de transferência de países. Estudo gastronomia e isso definem muito de quem eu sou.
Cozinhar, para mim, é quase um momento íntimo. A gastronomia, sentir o alimento em meus lábios, a força do sabor entrando em meu corpo, são minhas paixões. Criar um prato é algo sensual, delicado, que arrebata as pessoas com força e sinceridade.
De certa forma, cozinhar é como fazer sexo.
Pode ser demorado ou rápido. Saboroso ou ardido. Comum ou exótico. E sempre se pode fazer alguma piada de duplo sentido.
Namorei apenas 2 vezes na minha vida. Atualmente sou solteira.
O relato que vou contar aqui é exatamente isso: um relato.
Relatar algo que aconteceu de verdade em minha vida é a forma que eu tenho de falar sobre as mulheres. A forma mais honesta que eu encontrei para falar sobre sexo.
Essa história se passa dois anos atrás. Eu recém havia começado minhas aulas na universidade, ainda estava me acostumando à rotina quando conheci uma garota bastante peculiar, que sentava exatamente atrás de mim, nas aulas de segunda-feira.
Vou chamá-la aqui de Bruna, para evitar identidades desmascaradas. Basicamente, a Bruna é uma menina livre, leve e cheia de tatuagens. Tudo claro, muito discretamente. Uns dragõezinhos ali, uma fada acolá, um morango no ombro e, para finalizar, um piercing na língua, blusas xadrez e calças coloridas. Resumidamente, por insistência dela, nós travamos uma amizade que se foi aprofundando nas semanas seguintes. E, logo, chegamos ao dia fatídico.
A Bruna me convidou para ir assistir um filme, na casa dela. Como tínhamos aula na manhã seguinte, eu dormiria por lá, também.
O que não é problema algum, claro. Foi Óbvio eu aceitei, pois vi ali uma ótima oportunidade para passa uma tarde de procrastinação sem remorso.
Sexta-feira. Casa da Bruna. Quarto dela.
Era até um quarto jeitoso. Tinha bonecas de porcelanas misturadas com roupas jogadas e pôsteres de bandas como Paramore e 30 seconds to mars.
Ela colocou o filme. Garota Interrompida. Um filme com a Winona Ryder e a Angelina Jolie mais “porra louca” que eu tinha visto até então. É um filme horrível de se ver, no bom sentido, sobre e para meninas. E foi um momento divertido. Comemos pipoca, bebemos vinho, ela fumou narguile e eu tossi com a fumaça. Vimos o filme e falamos.
Bastante.
Logo, Garota Interrompida foi ficando para trás e o nosso interesse foi se tornando nossa conversa. Era sobre tudo e nada ao mesmo tempo. E, claro, como toda conversa íntima de garotas, falamos também sobre homens.
Na verdade, sobre um homem específico. Um garoto da nossa turma. Fábio, como eu chamo aqui, havia se mudado há poucos meses para a cidade. Vinha de uma cidade do interior, que não lembro o nome. Estava na capital para seguir os estudos e tentar achar um bom emprego. Colega, rapidamente tornou-se amigo de todos, menos de mim. Fábio era um garoto bonito e, devido ao pouco tempo na cidade, falava com um forte sotaque interiorano. Ele era o tipo de cara certinho, encabulado, e nas festas, sempre acabava ficando com uma ou outra garota, às vezes caloura, às vezes veterana. Mas, seu jeito comportado, sempre prevalecia prevalece.
Quando me dei conta, nós estávamos morrendo de excitação por ele.
A Bruna comentou sobre como a bunda redonda dele encaixava perfeitamente no jeans. De como ele a segurou firme, quando ela tropeçou nas escadas, certa vez. De como as meninas da turma de psicologia, comentavam do tamanho avantajado das partes íntimas do Fábio. Nesse ponto da conversa, eu já estava me entregando para ele, mesmo sem nunca termos trocado uma só palavra ou olhar. Talvez ele até tenha me olhado, uma vez, durante um seminário. Eu estava de pé, em frente a toda sala, falando algo muito sério com um sotaque muito ruim. E o Fabio estava lá, numa das primeiras carteiras, me olhando com atenção. Naquele pedaço da minha lembrança, eu queria que fosse ele quem estivesse de pé, para mim. Por mim.
Eu e minha amiga decidimos parar de falar antes que a cabeça fosse longe demais.
Assim, a tarde se foi. A família da Bruna chegou. Jantamos. Jogamos uma partida de War. Era 1 da manhã. Senti-me verdadeiramente cansada e comuniquei a ela que iria dormir. A Bruna decidiu me acompanhar e fomos dormir. Deixamos a guerra pela metade.
Como a Bruna tinha uma cama de solteiro, eu fiz meu aconchego sobre uma pilha de edredons no chão, ao lado da cama dela. Nesta noite, para dormir, minha amiga estava só de calcinha rosa de bolinhas e uma camiseta branca e velha. Eu coloquei apenas uma camisola de algodão para dormir, azul clara e uma calcinha preta, sem costura.
Nos demos boa noite e, em pouco tempo, peguei no sono.
Entretanto, durante a noite, acordei suada, com um fogo enorme saindo de entre as minhas pernas. Minhas coxas estavam encharcadas de suor.
Virei na cama improvisada, inquieta. Olhei atentamente se a Bruna estava realmente dormindo. Ela estava, com a as costas para cima. Eu não resisti. Meu fogo estava tão alto que retirei o edredom de cima de mim com um chute. Vertia água da minha testa. Enxuguei com a palma da minha mão. Então, não aguentando mais, levantei silenciosamente a minha camisola até a cintura. Olhei em volta e, depois, para a minha vagina. Estava completamente depilada. Abaixei a calcinha até os pés. Pus a mão esquerda na zona mais quente. Fui pegando nela, devagar. Notei que estava encharcada. Pus-me a ir mexendo um pouco.
Foi o suficiente para o instinto dominar.
Pensei no Fábio. Pensei na conversa que eu tive sobre ele, com minha amiga. Fui colocando um dedo na minha boceta. Então, outro dedo. Fui fazendo movimentos de vai e vem. Depois, movimentos circulares. A minha respiração foi ficando doida. Imaginei um cara me comendo. Abri bem as pernas. Levantei a minha camisola até a altura dos seios. Minha respiração virou um sussurro de prazer. Movimentei meus dedos sobre o clitóris, até ficar muito excitada. Eu estava gostando do cara imaginário metendo em mim. Até que imaginei o Fábio entrando e saindo do meu íntimo. Logo mexi minha mão mais rápida e com mais força. Estava dominada de prazer. Surrava a mim mesma. Som da minha masturbação molhada subia pelo quarto todo. O cheiro começou a ficar forte. Não agüentei. Tranquei a respiração. Estremeci. Gozei nos meus próprios dedos. Fiquei cansada.
Chupei um dedo de cada vez para sentir bem o meu próprio gozo. Eu não estava saciada. Ainda tinha vontade de gozar mais. Vontade de ter sexo de verdade. Foi quando notei que a Bruna estava deitada na cama dela, me olhando de lado.
Uma vergonha absurda.
Recompus-me com rapidez. Queria me enfiar em um buraco e sumir. Cobri-me com o edredom. Virei para o lado ignorando o risinho na boca da minha amiga. Tentei dormir. Fiquei a noite toda pensando na vergonha de ser vista naquela situação por minha melhor amiga.
No dia seguinte, fingi que nada aconteceu. A Bruna, por consideração, também não comentou nada. Nós nunca conversamos, de fato, sobre o flagrante que ela me deu. Mas, como nem tudo é perfeito, a partir daquele dia, ela sempre passou a dizer, quando tinha uma oportunidade, que eu era uma pervertida.
Eu me pergunto se ela está certa. Será que sou uma pervertida? Será que o que fiz foi perverso? Mas, se eu sou pervertida por me masturbar no meio da noite, acredito que a Bruna também seja. Ao menos, eu não acredito que ela, nenhuma vez sequer, tenha se masturbado na própria cama. Ela deve sim, fazer e com uma frequência. Muito mais do que eu, até.
Assim, por sentirmos desejo, por aliviarmos a tensão, por ter um pouco de prazer, por fazermos algo natural, nós somos pervertidas?


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario anasonhadora

anasonhadora Comentou em 17/04/2018

Conto muito bonito e excitante!

foto perfil usuario

Comentou em 11/03/2018

VOTADO!!

foto perfil usuario tatona90

tatona90 Comentou em 09/03/2018

Fique tranquila amiga, isso é mais que natural, sentir prazer com a própria mão ou com objeto é como vc mesma falou, algo que todas nós fazemos e com certeza sua amiga tbm faz. beijos

foto perfil usuario negroexpert

negroexpert Comentou em 09/03/2018

Não vejo problema nenhum em nada do que aconteceu. E não vejo onde no conto precisaríamos nos despir de preconceitos, principalmente no site/forum de erotismo, onde todos deveriam menter a mente aberta. Um conto extremamente bem escrito. Se for chinesa mesmo, alcançou um nível de escrita que muitos brasileiros natos não tem...parabéns.

foto perfil usuario skarlate

skarlate Comentou em 09/03/2018

colossal

foto perfil usuario touromiura

touromiura Comentou em 08/03/2018

Aqui ninguém julga ninguém. Ou não deveria. Estamos no mesmo barco, realizando nossos desejos. Pena que não conversaram a respeito. A cumplicidade que se cria, sexual ou não, é uma delícia. Curta a vida.

foto perfil usuario ricardaogostoso

ricardaogostoso Comentou em 08/03/2018

Muito bem escrito, e não há motivos para julgamento, se masturbe todas as vezes que sentir vontade!

foto perfil usuario flamengo21

flamengo21 Comentou em 08/03/2018

Não há julgamento por realizar seu desejo, não há porque não acreditar, é teu corpo, conheça, aprenda e aproveite muito, goze muito e escreva.

foto perfil usuario morenodebh

morenodebh Comentou em 08/03/2018

Muito excitante.

foto perfil usuario profmari

profmari Comentou em 08/03/2018

Excelente seu conto! E que português para uma cidadã chinesa!

foto perfil usuario direitos

direitos Comentou em 08/03/2018

Parabéns muito excitante e bem escrito

foto perfil usuario pietro88

pietro88 Comentou em 08/03/2018

Incrivel conto... a forma que vc descreve faz parece que vivi isso ao seu lado... parabens




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


114594 - O menino que encheu minha boca de leite - Categoria: Heterosexual - Votos: 18
116232 - Siririca na cozinha - Categoria: Masturbação - Votos: 14

Ficha do conto

Foto Perfil Conto Erotico michellefrlinda

Nome do conto:
Toquei siririca na frente da Bruna

Codigo do conto:
114176

Categoria:
Masturbação

Data da Publicação:
08/03/2018

Quant.de Votos:
28

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


tiabebada dormindo sobrindo mete com covardia na buceta e no cuscornogaycontosA filha ninfeta do meu cliente conto eroticocontos vontade de ser corno virtualContos.encesto.drogada.mamaemendigo gay pornoconto erotico gay: arrombado por japonesrelatos narrados por hotwifeincesto 6 em nome do pai e da filha phlanterna samba pornô por tu amorconto herotico amigo rabudo lisosocando no cu do emo conto erótico"cuzinho ardendo" contosContos gato cheiro boceta meladahistoria em quadrinho porno irmoa estorando o cu da maniacontos eroticos de noiva traindoConto porno desdi pequena pai e mae me comeconto erotico evolvendo mae filho e a vizinha rabudatraicoesquadrinhoscontos heroticostravesticonto herotico de boquete no banheiro do barcontos de grelos enormes gozando encaixadinhos num sabao gostosoconto erotico dois velhos me comeram com dupla penetracaocontos de sexo com a minha avocontos eroticos meu padrasto falava qeu eu era so um monte de carne ao redor da boceta e metia sem dorWww.contoerotico.comcontos fudi zenildafoda com o primo contos.ultimos contos sadocontos eroticos em quadrinho com a madrastaDei o cu pela segunda fezenfiando a pika na priminha da 8 aninhos contos eroticosadoro ver minha mae fudendo com meu padrastoContos erticos mae e filhas mamando no pauzao de deis negao em uma gang bang numa praia de nudismocontoeroticodfporno crentes sainha quadrinhocontos eróticosgay iniciado pelo meu pedreiroDando.banho.na.minha.filha.bucetuda.porno gay hq mendigocontos cdzinha fodida analconto erotico de socras bebadaconto erótico eu botei soniforo na bebida da minha melhor amiga pra mim aproveita delaconto erotico amando meu amanteflagrei minha mulher com meu primo conto eroticocontos eroticos - minha esposa na saunawww.contoeroticocomvizinho.com.brmeu pai conto eroticoConto cdzinha cinemas centro spvideo motorista fretado esquece video pornoConto Comendo a sogra e a cunhada lado a ladocontos eroticos metendo na inquilina casadavideo de corno parando o carro em posto de gasolina e os caminhoneiros comendo sua esposaconto erotic meu genro tem a bunda arrebitada so de ver eu fico de pau durotravesti super dotadoconto erotico esposa bebadacontos eróticos variadoscontos picantes de incesto a força com a sobrinha gratisvendedor de rua cacetudoumaputagotosacontos de incesto com palavraoContos eroticos : vovó do bundao grande gostosoconto de incesto deixei minha filha de 10 da para o meu maridofiz anal com meu filhocontos eroticos pirocudos e mulheres taradascontos paizinho deliciacontossado de submissao realconto erotico de mulher que transou com negao do paul grandputtinha de aguaboa mtconto erótico calouracontos eróticos de incestos com avó bebendo pora do netocontos eroticos super gostososCamila minha enteada com a b********filhocomepornonovinha brasileira deu cuzinho apedadihoVizinha eróticogozei dançando forro contosRasguei a buceta da minha cadela pimtiernudista com a buceta saindo gozoConto erotico - machuquei a mina bebadaconto erotico por causa do bucetao mamae mandou papaicontos eroticos um encontro inesperadovi meu pai mijando leite contos eroticosContos de cdzinhaconto mulher taradaconto erotico. menino de dez anos dandona bunda