Eu e o Zé fornicámos a minha tia



Chamo-me Daniel Fonseca, tenho trinta e seis anos e sou casado. Há dias, laureava eu pelo Almada Fórum, quando fui inesperadamente “abalroado” com um grande empuxão, vindo não sei de onde. Era o meu amigo Zé! Um grande e inesquecível amigo da adolescência, daqueles que nunca se esquece. Obviamente que o convidei logo para beber uns copos e pormos a conversa em dia.
Já conversávamos e riamos há duas horas quando ele se lembrou de puxar à memória, o episódio mais peculiar das nossas vidas: aquela tarde, em que eu e ele fornicámos a boazona da minha tia Samanta.
Por ser verdade, decidi agora escrevê-lo. Tudo aquilo que vocês vão ler, aconteceu mesmo. Por isso espero que se divirtam com a aventura sexual mais excitante que tive, em toda a minha vida:
Estávamos em 1985 e o mês de Agosto escaldava, levando-nos ao entorpecimento. Eu e o Zé andávamos à deriva, sem saber o que fazer. Ambos estávamos de férias do liceu, e na zona onde morávamos não havia grandes distracções nem locais onde se pudesse passar o tempo.
Eu gostava do Zé porque ele era como eu, pensava como eu e até gostava de “Heavy metal”, tal como eu. Ele também não se identificava com os restantes “betos” lá da zona, que só vestiam roupas “caras”, gostavam de musica “pop” e iam à discoteca aos domingos à tarde – Bah! Talvez por isso, nem eu nem o Zé tínhamos muita sorte com as miudas, que descaíam mais para o lado dos “betos”! Tínhamos ambos dezassete anos e muita fome de viver.
Naquela tarde, sem sabermos muito bem para onde ir, pusemo-nos à boleia para a praia; tínhamos remediado uns pães lá em casa, gamámos fruta, cerveja e um naco de torresmos da mercearia lá da nossa zona. Passámos ainda por um estendal de roupa e “trouxemos” duas toalhas que estavam lá a secar.
Ao fim de meia hora, tínhamos apanhado boleia de um gajo com pinta de alienado, que conduzia um Renault 5 vermelho. Pôs logo a musica em alto som e fomos todos a curtir Iron Maiden até à praia. Quando lá chegámos, ainda nos deu uma barrinha de haxixe. – Isto é para vocês curtirem! -Disse com um ar extasiado. Depois arrancou com o carro a rosnar.
Eu e o Zé caminhámos até à areia, estendemos a toalha e deleitamo-nos ao sol o resto da tarde. Ainda fomos ao banho duas ou três vezes. Fora uma bela tarde de praia, mas o melhor estava para vir. Voltámos à estrada e estendemos o dedo a pedir boleia, mas inesperadamente, o nosso regresso a casa estava a ser difícil. Ninguém nos dava boleia. Já se sabe como é, o “people” sai da praia e só anseia em ir para casa tomar banho, para depois jantar; estão-se bem cagando para dois gajos que estejam para ali a ressequir. Entretanto eu enrolei uma ganza e fumámos os dois para ajudar a passar to tempo.
- Vão a pé! – Ululou um “filho da puta” de dentro de um cabriolet amarelo.
-Vai para a cona da tua mãe! – Ripostou o Zé, já desorientado.
E é no meio desta frenesi, que pára um Jeep branquinho, de matrícula francesa, mesmo à nossa frente. Nem queríamos acreditar. Uma boleia, e logo brindada por uma gaja! - Quando me debrucei na porta verifiquei que era a minha tia Samanta, quem nos oferecia boleia. A minha tia vivia em França e estava em Portugal de férias. Era divorciada, era boazona e linda de gemer. Tinha um extenso cabelo loiro e era alta. Tinha uma face linda e redondinha. Uma Diva!
- Olá Daniel, então por aqui? Entra! – Proferiu com a sua voz melosa.
Entrámos os dois. Eu sentei-me ao lado dela e o Zé prostrou-se lá para trás.
Ela engatou a primeira e “arrancou” com o jeep a toda a velocidade pela estrada a fora. Pelo caminho perguntou-me pelos meus pai e pela minha mãe (sua irmã), desculpou-se pelo facto de ainda não nos ter visitado, mas que ainda não tinha tido tempo, blá, blá...
Lá atrás, o Zé já estava farto de me beliscar e de se agitar, dando-me a entender que eu tinha uma tia muito boazona, e que ele estava doido pelas suas pernas e mamas; pois ela apenas vestia uns calções de ganga muito estreitos e resguardava as tetas com um encovado top branco e húmido, que lhe permitia ver os mamilos. Até aqui tudo bem. Depois é que as coisas se complicaram. No meio de gargalhadas (das anedotas do Zé) e da brincadeira, a minha tia surpreende-me com uma pergunta inesperada.
-Então, vocês não “enrolam” nada? – Indagou com um ar meio descarrilado.
-Oh, Tia!? – Indignei-me com um ar divertido. Mas mesmo antes de lhe responder, o Zé antecipou-se e disparou: - Oh, tia Samanta, já podia ter dito! – Rezingou com familiaridade.
– Maluco! – Bradou, dirigindo-se a mim – passa para cá a “pedra”! – Ordenou com aquele ar esgazeado, que lhe era típico.
Vinte minutos depois, já estávamos todos “pedrados” e eu sentia-me louco de alegria, pois finalmente tinha encontrado alguém na família, de quem podia gostar a sério: a minha linda tia Samanta. Mas o melhor estava para vir. No meio da balbúrdia, a “solteirona” lembra-se de nos convidar para conhecermos a casa dela.
-Venham. Tomam lá banho e jantam comigo! – Incitou com um tom lúbrico.
- Claro, tia. Claro que vamos! – Respondi logo (por mim e pelo Zé).
A casa dela ficava a uns dez quilómetros da minha, mas numa zona mais “in”. Era um módico apartamento no último andar do prédio. Tinha uma decoração fresca e de muito bom gosto.
-Ponham-se à vontade. Façam com se estivessem em vossa casa, lindos! – Rejubilou ao mesmo tempo que se enclaustrou no quarto.
O Zé desatou logo num alvoroço, a guinchar comigo, por eu ter uma tia tão “prá frentex” e nunca lhe ter dito nada, e que estava doido por ela e que a queria foder!...
-Fodê-la, Zé? – Interpus-me admirado.
-Sim. Qual é o problema? – Inquiriu com uma indignado.
- Em primeiro lugar, é irmã da minha mãe; em segundo lugar, não alimentas uma mulher destas a “gasóleo”! – Lembrei. – Em terceiro...não vês, que um “boeing” destes, não “voa” com putos como tu, pá! – Asseverei; (acho que aqui o ofendi), mas era o que eu sentia. Um minuto depois, fui obrigado a engolir o que dissera ao Zé, instantes antes.
-Olá queridos! – A voz da minha tia ecoara do fundo do corredor, e quando olhei para a porta da sala, lá estava ela. Meu Deus! Nem queria acreditar. Ela desfilava pela sala, com uma picante langerie vermelha, (igual ao das gajas dos filmes pornográficos). Sobre o seu tronco esbelto, revestia uma delicada túnica de seda branca, que lhe deixava ver um apertado soutien, que lhe juntava as mamas e condizia com a restante langerie. Trazia calçadas umas botas brancas, cujo cano findava um pouco acima dos joelhos Estava divina e convidava-nos para a seguir, saracoteando-se pelo corredor a fora.
Eu e o Zé seguimo-la, sem pensar duas vezes. Eu ainda supus estar a sofrer de alucinações, devido ao efeito do “charro”, mas não! A minha tia Samanta estava mesmo em langerie e agora, ajoelhada aos nossos pés, principiou por nos baixar os calções de praia, preparando-nos para uma sessão de sexo intenso.
-Hum, dêem-me as vossas pixotas! – Gemeu com a sua prenuncia “afrancesada”, que me avassalou de tesão. Primeiro, entesou a do Zé e só depois é que puxou a minha. Olhou-me com uma ar desregrado. Tinha os lábios pintados de vermelho vivo e colorira os olhos com uma sombra azul matizada, que lhe abonava um aspecto imoral, mas de fodelhona como eu gostava. Começou por abocanhá-lo devagarinho. Conjuntamente, batia uma punheta vagarosa ao Zé, que só revirava os olhos. Depois revezou-nos. Engoliu a sarda do Zé e amimou a minha. Quase me vim, mas ela descontinuou, talvez porque se tenha apercebido da minha precocidade. Era uma vaca experiente, a minha tia Samanta. Desde pequeno, sempre ouvira os meus pais contarem histórias dela. Uma vez, ainda pequeno escutei uma conversa entre os dois, em que a minha mãe afirmava que ela, numa ocasião fora comida por dois gajos numa cabine telefónica! Nunca cheguei a saber se fora ou não verdade...
Mas agora não interessava e era a minha vez. A minha tia continuava numa posição humilhante, defronte das nossas piças, a mamar duplamente, agitando a sua cabecinha amarela como se fosse uma “gansa doida”. Naquele momento fiquei com a certeza de que um homem só, não a satisfazia. Tinham de ser, (no mínimo) dois.
Ah, meus lindos! “Mmm”...Ainda bem que vos encontrei à boleia! “mmmm”; senão, quem é que me dava este “carinho” todo? – Falava ao mesmo tempo que mamava, e chupava ao mesmo tempo que se espumava pela boca. Com a saliva viscosa, fazia sair grandes arcos de cuspo, em volta das cholas das nossas piças. Ui, que tesão, que tesão!
Alguns minutos depois, levantou-se e cabriolou em direcção à cama, levando-nos de mão dada com ela. Parecíamos dois putos de “mão dada” com a “titia”. Aí, reclinou-me de papo para o ar, de seguida gatinhou sobre mim, e sentou a coninha mesmo em cima do meu focinho. Depois aprisionou-se à cabeceira da cama, e começou a roçar a sua vasta pentelheira no meu nariz, ordenando que a lambesse.
- Beija-me, lindo! – Grasnava. Se ela me mandasse ladrar e lamber-lhe os pés, eu acho que o fazia; eu estava louco e pedrado!
Sincronicamente, o Zé apalpava-lhe as mamas e beijava-a no pescoço.
-Ah, tia Samanta – Galhofava ele – Se o Daniel, já me tivesse contado sobre si, eu não me tinha casado! - Rugia num tom tão convicto, que a minha tia até soluçava. Naquele momento, eu desejei ser um “Liliputiano”, para poder entrar pela minha tia “a dentro” e perder-me dentro dela. Nunca pensei que uma mulher pudesse ser tão polposa. Lambi-a e beijei-a tanto entre as nádegas (do cu até ao ventre), que a minha saliva, mesclada com a sua seiva formaram uma amálgama branca e lubrificante. Era o cocktail do meu minete.
-Ah, tia! – Grunhia eu cá de baixo, enquanto o Zé se deleitava com uma nova mamada que a minha tia lhe propiciava.
-Ah, minha tia linda! – Ronquei.


Inesperadamente, ela voltou a levantar-se. Recuou até à zona da minha barriga, sentou-se sobre mim, agarrou-me no pau e enfiou-o logo no cu. – Ah, tia Samanta! – Dei um uivo. Uma onda de prazer invadiu-me, desde a espinha até aos cabelos. Oh, sim! Forniquei-lhe o cu, enrabei-a e disse-lhe que a amava. Ela apenas respondia com longos e escabrosos gemidos de prazer.
Não me perguntem, o que estava o Zé a fazer nessa altura, porque neste momento, eu só vi “cenas” muito psicadélicas, enquanto a minha tia se escarranchava em cima do meu caralho duro.
Depois ela libertou-se de mim. Nessa altura abri os olhos e apercebi-me que ela me fazia sinal para refrear. Foi nesse momento que enxerguei o Zé acoplado na minha tia, enrabando-a desenfreadamente.
Era ela quem compassava o ritmo. Se tivéssemos instrumentos musicais, ela era a bateria, eu era o viola-Baixo e o Zé, o Viola-solo. Agora ela abrandava. Movimentava-se mansamente. Parecia uma “madame” a “fazer amor”; tudo isto para eu não me vir. Ela queria foder durante a noite inteira. Era uma predadora sexual.
Depois voltou ao assalto. Talvez a investida final. Iniciou uma galopada tão forte e tão intensa que me vim logo ao fim de trinta segundos. Mas ela não interrompeu a acção, pois faltava o Zé. Mas como ele tinha engolido dois litros de cerveja durante a tarde, estava mais intrincado. Por isso ela continuou, mesmo comigo por baixo dela, continuou. Mas o Zé era bravo, e foi aí que ele começou a “variar”. Excitado com tanta depravação, desatou às “lambadas” à peida da minha tia e a fremir como um “Cowboy” num “rodeo” – Ah, tia! Ah, tia linda! – Clamava afoitamente – Que tesão de mulher! - Até que se veio descomedidamente no buraco do cu da minha tia Samanta, que urrava esfregando as mãos na racha da cona.
- Ah, estou-me a vir, cabrão! Ah, cabrão! - Resfolegava ela.
Para desfecho, eu e o Zé, arrasados no chão do quarto, enrolamos a ultima ganza e partilhámo-la com aquela mulher devassada, que era minha tia. A seguir tomámos um duche todos juntos e ela levou-nos pacatamente até casa.
-Adeus meus lindos! – disse a sorrir – Não digas à tua mãe que me viste, está bem, Daniel, meu amor?
- Adeus, tia! Obrigado pela boleia! – Cochichei já cheio de saudades dela, enquanto o Zé recebia um beijo suculento na boca, também como figura de despedida.
Foi desta forma, que eu e o Zé logramos de uma afortunada sessão de sexo com uma mulher deslumbrante. Quanto à minha tia...bem, ela sempre fora uma vampira ávida de sexo, embora eu acredite que ela tenha saboreado aquele momento, e que aquela tarde, ainda permaneça no íntimo das suas vastíssimas memórias sexuais.

Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


3559 - O tecnico de Tv era um preto - Categoria: Interrraciais - Votos: 3

Ficha do conto

Foto Perfil Conto Erotico alexhenryjames

Nome do conto:
Eu e o Zé fornicámos a minha tia

Codigo do conto:
3558

Categoria:
Incesto

Data da Publicação:
09/12/2004

Quant.de Votos:
2

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


zecoa o bem dotadoempinando o rabo contos no carnaval conto eróticoFilha boqueteirá contoseroticosconto erotico gay viajando na carreta com a rola dentrocamilasafada1983 yahoofilha bunduda nao agguenta ve o cacete do paimeu mexicano chupou meus seiosconto erotico ahh uhh mais mete vai ahhContos.eroticos.minha.madrasta.bucetuda.e.peituda.dor.mindo.bebada.Contoeroticocasada anovinhaContos enquanto meu pai foi tomar banho comi o bucetao peludo da mi nha maeconto erotico meu amante e cruelcontos eroticos castidade masculinacontoeroticomulhervadiacontos eroticos de muleque dando o cufrancinecross crossdressvirei comedor de casal contode vestido curto e sendo encoxada contoslésbicas usando cinta penianaContoerotico fotonovelacalcinha DE navinha querendo fodetransei com meu irmão na frente do meu pai conto eroticotio meteno na sobrnhacontos lesbicos de carceleiragay luta greco romana pornfiquei bebada traimeu marido pornocuzinho de sogra de sobremesacontoeroticoirmaosxvidios mulher do mey amigosexo com a minha sogra flagranteconto erotico amazonasconto erótico chupa greloPorno Hentai Kanalhasexo zoofilia com mulheres do Uruguaipornos incesto tio concretzou seu sonho tirou o cabacinho da sobrinhaSoca esse pauzão na minha buceta arromba essa puta contosconto erotico inesperadorelatos eróticos reais incesto mãe sentada no colotrepei cm minha ifma foi a maior loucura conto tentei com a minha irmã foi a maior loucura conto de i******porno empregadameu filho me catou a forca conto eroticoconto gay casado louco por negaoconto ballbusting sado relato cuecacontos eroticos seu gilconto erotico gay amigos separadovivo na roça c. eroticoConto doce nanda parte 9www.contos eroticos de dotados comadres.comconto sexo esposa fielperdi as preguinhas do cu quando era pequenacasadas raspadas em nudismo contosconto erotico do mendigofotosbucetavelhasdei gostoso ao meu filhocontos eroticos de meninos gordinho gayMinha vó bundudaconto erotico humilhando corno de pau pequenosapecascontoseroticoscontos gay meu filhinho bebezinho viadinhoConto veridico de amor entre tio e sobrinhaconto chupando amigo maconheiroadoro contos anaiscontos eroticos garotinhas motoristaContos eroticos selvagem esposaContos eroticos titias caindo na rola grossa do sobrinhocontos eróticos gay volta redondaconto erotico minha amante cinquentonacontos eroticos incesto comeu a irma e gozou na bundatravesti porra na bocaconto erotico_amigo do meu namorado mi comeu e gozou dentrocontos.eroticos biquini punheta incestoCANTOS EROTICO DE TIO PIROCUDO COM SOBRINHAS VIRGEMchifrei na festa relatoconto gay usando o consolo da minha maeconto erotico armando uma arapucaporno esposa flagra marido chupando picacontoeroticoputa