O primo gostoso e a visita surpreendente



Meu nome é Carlos e esse caso ocorreu duas semanas atrás. Moro em Goiânia e trabalho como advogado autônomo. Sou gay assumido, mas meu jeito é mais discreto, então poucas pessoas sabem ou percebem minha orientação.
Sou moreno claro, 30 anos, 1,80 de altura, 90kg, faço atividades físicas esporadicamente, principalmente corrida.
Uma semana antes recebi uma ligação de um primo (Alexandre) com quem passei grande parte da infância e adolescência, mas que não via há mais de 10 anos. Era um ano mais velho que eu e precisava passar pela minha cidade; queria saber se eu poderia hospedá-lo. Disse que não tinha quarto de hospedes, mas que se ele não se importasse de dormir na sala, por mim tudo bem. Ele disse que era melhor a sala da casa do primo do que as diárias de um hotel.
Esse primo não sabia de minha homossexualidade, assim como grande parte de minha família. Até a época em que nos afastamos, nem eu sabia de minha orientação e embora sempre admirasse seu corpo atlético e o volume quando o via de sunga ou cueca, nunca rolou nada, nem insinuações.
No dia de sua chegada eu cheguei em casa pouco antes das 21h. Tomei banho, coloquei a roupa de dormir habitual (regata branca e samba canção – sem cueca por baixo) e fui relaxar na cama vendo TV. Esqueci completamente da visita do meu primo. Então fiquei surpreso com o interfone tocando. O porteiro falou que havia um rapaz chamado Alexandre dizendo que era meu primo, e eu sem graça, disse que podia subir.
Quando abri a porta, tive que conter uma exclamação de surpresa. O que já era bom na adolescência agora estava muito melhor. Meu primo era negro, um pouco mais alto que eu, e hoje estava com um corpo magro, mas definido, com curvas nos braços e um peitoral ligeiramente estufado. Usava uma camisa preta colada e uma calça jeans um pouco justa.
Ele esticou a mão para que eu apertasse, e ao fazer isso, me puxou para um abraço, onde nossas mãos ficaram entre nossos peitos, e a outra mão dele deu três tapas na minha bunda. Aquilo me deixou tenso.
Mandei entrar, falei que podia guardar suas coisas no meu armário (estava com uma mala pequena, até porque disse que ficaria só por duas noites) e o levei até o quarto. Ele só jogou sua bolsa dentro do armário e pediu uma toalha, pois estava com calor e precisava de um banho. Falei que buscaria a toalha no armário da área de serviço e pedi que ele esperasse. Quando voltei com a toalha ele já estava no banheiro (meu apartamento só tem o banheiro da suíte), ligando o chuveiro, e sem roupa. Fiquei sem ação por uns 10 segundos, apenas admirando aquele corpo. Aquela mala. Estava mole, mas era grande e grossa. Devia ter uns 17cm e mesmo mole, não devia dar pra fechar a mão em volta. Voltei a mim com ele falando:
- Primo, pode deixar a toalha aqui na porta do box.
Aparentemente não havia percebido meu choque. Graças a Deus.
Saí e fui para a sala arrumar o sofá pra ele deitar. Alexandre siu do banheiro de cueca boxer branca, e uma regata também branca. Supus que ele ficasse sempre assim à noite, pois ele não falou nada, nem perguntou se tinha problema ficar daquele jeito. Eu é que não ia reclamar.
Perguntei se ele estava com fome, pois eu havia jantado com um cliente antes de chegar em casa, e não pretendia comer mais nada. Ele disse que se tivesse um sanduiche, pra ele estava bom. Então fomos para a cozinha onde comecei a preparar um lanche pra ele e ficamos batendo papo sobre a infância, a família e nossas vidas.
Ele disse que era professor de educação física e que estava em Goiânia para um curso de dança que estava fazendo como pré-requisito para uma vaga em uma escola de sua cidade.
Do nada ele levantou do balcão (era cozinha americana) e foi para o outro lado, dizendo que ia me ajudar. A cozinha, assim como o apartamento inteiro, era pequena, e ficava difícil ter duas pessoas andando lá dentro. Eu estava encostado na pia da cozinha colocando presunto no pão, e ele perguntou onde podia pegar copos. Eu indiquei o armário ao fundo e ele passou por trás de mim para chegar ao armário. Por conta do pouco espaço, era impossível ele passar sem roçar em mim, mas na hora que ele passou e eu senti aquele cacete enorme se esfregando no meu rabo, senti calafrios e respirei fundo. Ele passou, mas virou pra mim e perguntou:
- Você está bem? – e percebi um sorriso malicioso no canto da sua boca.
Eu respondi ‘Sim, sim... está tudo bem’, e continuei montando o sanduíche.
Ele pegou dois copos no armário e foi na direção contrária, para sair da cozinha, novamente passando por trás de mim. Na hora fiquei na dúvida se era impressão minha, mas achei que ele dessa vez passou um pouco mais devagar. E tive também a impressão de que o volume se esfregando no meu rabo estava maior. Novo calafrio, mas contive a respiração. Ele continuou, saiu da cozinha e ficou atrás do balcão, como se nada tivesse acontecido. Por estar atrás do balcão, não dava pra ver o volume em sua cueca, então comecei a reforçar a teoria de que havia sido impressão minha. Não podia criar fantasias em minha cabeça. Se fizesse algo baseado em fetiches e suposições, podia ser desastroso. Terminei o sanduíche, entreguei a ele e disse que podia comer na sala vendo TV. Dei boa noite e fui dormir.
Por volta das 6:30 da manhã acordo com ele batendo à porta do quarto.
- Primo, primo? Po cara, desculpa te acordar, mas a sua sala fica muito clara a essa hora e eu não to conseguindo dormir. Se importa de eu deitar aqui no seu quarto?
- Mas não tem colchonete nem espaço aqui no quarto. – respondi talvez um pouco grosseiramente, pois detesto acordar antes das 9h.
- Eu deito na sua cama, po. Qual o problema? Já dividimos a cama tantas vezes no passado...
Eu estava com tanto sono que perdi a vontade de argumentar. Simplesmente me joguei pro lado da cama e falei ‘Tá bom, deita ai’.
De olhos fechados, senti ele levantando o lençol e deitando ao meu lado. Pronto. O sono se foi e deu lugar ao nervosismo. Eu estava na minha cama, ao lado daquele gostoso, só de cueca.
Levantei e fui ao banheiro jogar água no rosto, tentar me acalmar. Respirei fundo, decidi que não faria nada estúpido, e voltei pra cama.
Quando volto a deitar, Alexandre está de braços e pernas abertos, no meio da cama, descoberto. Mesmo com pouca luz percebo uma coisa: ele está sem cueca. E pra mexer mais comigo, está excitado. Fiquei ali, parado, olhando aquela cena. Meu primo, super gostoso, um pau enorme, lindo, duro, na minha frente, na minha cama. O que fazer? Deveria fazer alguma coisa? Estaria ele querendo alguma coisa? Mas e se não estivesse? Mas quer saber? Foda-se. Ele está na minha casa, na minha cama, pelado, pau rijo. Eu não ia desperdiçar essa oportunidade.
Lentamente fui subindo na cama. De quatro, fiquei cara a cara com aquela piroca linda, grande e grossa. Chegando meu rosto bem perto, passei a língua do saco até a cabeça. Ao fazer isso, seu corpo se mexeu, as pernas trocaram de posição, mas ele continuou ali basicamente na mesma. Entendi que poderia continuar. Então repeti o processo, lambendo seu pau do saco até a cabeça. Dessa vez, um gemido baixo de prazer. Então quando estava descendo pra fazer pela terceira vez, sinto sua mão esquerda agarrar meus cabelos e puxar minha cabeça pra trás, e com a mão direita, ele segurar o pau e falar:
- Engole logo essa piroca que eu sei que você está doido pra fazer isso desde que eu cheguei, vai. Mama gostoso o seu negão.
Na hora que senti sua mão nos meus cabelos eu gelei e pensei ‘fudeu’. Era agora que ia levar uma surra. Mas quando ele falou ‘mama gostoso o seu negão’, o gelo deu lugar ao fogo. Agarrei seu pau com a mão e enfiei todinho na boca. Sem brincadeira, o pau dele duro devia ter uns 20cm e muito grosso.
Eu chupava o pau dele com vontade, como se não tivesse mais nada importante na vida. E os gemidos dele me davam mais tesão. Era gemido de macho, um rugido, não muito alto, mas me animava a continuar. Eu enfiava todinho na boca e tirava devagar. Às vezes focava na cabeça, fazendo movimentos circulares com a boca e a língua. Acho que fiquei uns 10 min mamando aquela rola até que ele finalmente deu sinal de que ia gozar e eu continuei chupando. Queria sentir aquele leite quente encher minha boca. E foi muito leite. Era tanta porra que mesmo eu querendo engolir, escorreu pelos cantos da boca. Mas eu engoli o que ficou dentro e lambi o que saiu. Deixei seu pau limpo.
Fui me levantando, saindo da cama, indo ao banheiro me limpar, mas ele segurou um dos meus braços, me puxou de volta pra cama e disse no meu ouvido:
- Onde você vai? Eu só provei sua boca. Agora falta provar esse rabo lindo que você tem.
Eu pensei ‘Caralho, que homem é esse? Que fogo é esse?’. Mas se ele tinha muito fogo, eu tinha o dobro. Se ele queria me dar rola, eu ia aproveitar até o fim.
(Continua)

Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.


Comentários


foto perfil usuario engmen

engmen Comentou em 17/11/2016

Narrativa esmerada onde a excitação brota em cada letra... não nos prive da continuidade!

foto perfil usuario haroldolemos

haroldolemos Comentou em 28/03/2016

Tesão de conto! Os diálogos excitam muito. Parabéns. Continue, por favor.




Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


100946 - O primo gostoso e a visita surpreendente #2 - Categoria: Gays - Votos: 8

Ficha do conto

Foto Perfil Conto Erotico machocasado

Nome do conto:
O primo gostoso e a visita surpreendente

Codigo do conto:
80895

Categoria:
Gays

Data da Publicação:
26/03/2016

Quant.de Votos:
16

Quant.de Fotos:
0


Online porn video at mobile phone


conto incesto filhinhaconto erotico a esposa nao resistiuConto erotico novinha grita na pica do cavaloconto porno velho roludoprima rabuda e ingenua 2!!contos eroticosconto gay irmaos gemendo no pirocao do irmao c fotoContos eroticos safadaoConto erotico minhas filhinhas bebes e meu maridoconto erotico anal comi acunhada afocarComendo a velha cadeirante contosmamãe me transformou em mulherzinha contoconto eroticos levei muito no cu do tio do meu maridonegaobucetainchadacontos eroticos de genro fazendo xixi a sogra vecontos gostosas dando juntas sem frescuralegging sem calcinha contos 2017conto sexo palmada maridonovinha rabuda levantando peso e transando na academiacanto erotico olhando vizinha banhadoconto fodendo papaiver conto erotico sob caminhoneiro pirocudoputinha na prisaoconto erótico sequestro tráfico de escravasconto herotico gay nacir para dar o cuprima damo chota pro primohpassrj yahool.comconto erotico dei para o carcereiro do presidiocontos de homens velhos casados sendo flagado pela esposa comendo cu de nora casadacontos eroticos de pro meu cachorotia timida nua contoOs carreteiros gay peludosvelhas e novinho contos erótico,conto erotico desvirginadaconto erotico de gravidasafada tirando a roupa devagarzinocontos transei com minha tia gostosa no cinema ela chupou 23cmbuceta da minhamãecontos eroticos meu padrinho tirou meu cabaçoporno caseiro con tuta viciadadominadora chupando pau seu preçoConto penis medio do professorconto erótico novinha na praiaconto erotico a caronafilha minha femea contodei uma encoxada na esposa do meu amigo contos eroticoscontos erotico minha meu bebezinhocontoeroticodevirgemcontos eroticos de incesto ladroes pegando a novinha.contos erotico namorada e putavanessinha.net familia incestuosacontos eroticos comendo sua madrasta gostosacontos erotico minha mulher e os fugitivos do presídiocontos eróticos comi minha prima me pede uma massagem cunhado crente casado,contos eróticocontos eroticos eu minha mulher e nosso amigo na praia de nudismocontos eeoticos minha familia na praia de.turismocontos eróticos treinadores e dono da academia come viadocontos eroticos meu marido tava pedindo um par te chifresa Lucinha comendo a netinha nerdultimo contos eroticos com fotos 2017 vizinho roludo engravidou minha mulherlucia e arthur hentaiconto erotico com vizinho de 60 anosnegão pauzudoconto erótico na selvaContos.eroticos.zoofilia.a.enorme.e.inchada.buceta.de.minha.cadela.contossexonovinhasconto erotico flagrei minha filha fudendo e entrei na brincadeiraContos eróticos abusando do cu apertado da esposa a forçapunição grita dor conto erótico conto erotico com coroa gaycontos de fodas com pai e mãe e filhos travestiscontos erotico prenhanegros dotados tarados por cu me foderao contos gaycontos eróticos de zoofilia finha e mãe que mora na roça realcd de contos eroticos contados por mulheresContos mae punhetando o filhocontos fudendo casadapokemon hq pornoRabudas bunda grandefilme hental amigo do meu filho negraogozando na boca maridinho viadinhocomi um gordinho no banho contosdelicia corno virtual onlineconto erotico o tio da portariacontoerotico so.no.bumbum tiaheitai porns mãe e filho xxcontos eróticos meninas novinhas sendo seduzidas por lésbicascontos eroticos peidando no pau do velhoPorno pokemon femea versioncinema Santa rosa duque caxias porno